segunda-feira, 1 de setembro de 2014

a casa de madeira com o varal melancólico ali perto do encontro dos dois rios sente o barulho bom da queda d'água foi a música quem deu o corte da imagem é linha-reta-horizonte-laranja devir em dupla o carro com a bandeira de plástico do brasil beija a estrada que te aproxima de  mim, de primeira vez a sua chegada é o nosso grito de moço o desenho do apartamento todo colorido - parede verde e azul - cuja sacada respira um bocado de samambaias e ali o violão é a gente, nós dois e meu jeito de sentir embalado pelas cordas, a trilha sonora e o jeito como você está perdido como um bicho com a mochila nas costas e sim mais tarde a sala é o primeiro filme, é o céu dela, que também é gente de verdade o quarto baratinho de hotel, um pai que se chama benedito, o quadro com o personagem da mão bonita o vislumbre de sim, quero pintar, pode pintar novamente, senhor afinal ele entende do negócio nossa! como você é bobo, meu deus, só mais um pouquinho de vinho, amor o roteiro filme que entrecorta as duras paisagens antes e depois da serra é a poeira que preenche o cavalo é o guia de verdade que confunde o que é e deixa de ser, a possibilidade e uma pequena luz de lanterna guarda aquilo que desejamos juntos os dois pro mundo, pro filme pra vida pra emocionar e ser cuidado e de despertar porque há uma linda fogueira ali fora e eu já estou chorando de tanta alegria que poderia apagá-la assim de tanto lágrima-rio a cidade esquisita de desenho tão duro tão sonhado é o que grita dentro de cada quadra se multiplicando no asfalto da gente sensível é o mundo dizendo "sim" tá na hora de voltar, vamos acompanhar a senhora, tia, o jeito de empilhar molduras, de testar os destinos, do cheiro de queimada e doce de café-da-manhã "eu estou aqui", repetidas vezes, obrigado daí o ultimo trecho seria "tudo possui um lugar" dentro de mim da gente do que é futuro tudo mesmo porque sim e estou aqui treinando para ser chuva de um lugar bonito e folheável e com desenhos pequeninos no canto superior de cada folha  

tudo possui um lugar aqui/ali/donde? - agora eu sei
 o mundo nos abriu uma fenda gentil em dó ré mi