segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

o tempo me cansa. mais que a espera, bem mais.

domingo, 28 de dezembro de 2008

quem é encontrado jamais procura. uma pena. leve.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

então eles estavam sentados no canto esquerdo da sala e não estavam nem aí para o barulho enigmático do ventilador. era estranho olhar para o diâmetro do aparelho e, sob a mesma situação, espalhar o ar-interior que cada um dos dois tinham.
era bonito como os desenhos tomavam formas no papel do menino nº 1. começavam os rabiscos e o 2 abraçava os bracinhos dos monstrinhos das festas das bruxas. ali só havia o barulho do ventilador, tão 'oi, como você tá?'.
eles não podiam dormir porque estavam em observação. vez ou outra davam as mãos e, em seguida, repetiam versinhos para a menina ao lado, tão nostálgica, tão despercebida.
bonito era quando o ventilador fazia seus cabelos pelo ar. parecia até festa das bruxas. o pobre do calendário marcava 25 de dezembro, a bagatela do natal. não, nenhuma porcaria do primeiro de abril.
eles precisavam de vento e calendário sempre.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

a todos: cuidem do amor, cuidem.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

escrever aqui é como abraçar o meu redor e refletir dois ou mais pequenos segredos que eu resolveria numa também pequena conversa lá no fundinho do quarteirão.
quando eu escrevo é quando eu permito que a minha dor, não no sentido mais recorrente da palavra, volte atrás e assim possa brotar semente.
a digressão mais comum (e fiel) na participação, repartição, dos meus sentidos nas palavras não devem ser enleada com aquilo que se chama de diário. tampouco bilhete. às vezes parece, mas não desejo rememorar ou ainda estabelecer uma espécie de ibge dos meus sentimentos.
se eu ouço duas ou mais pequenas canções (anotadas no canto superior da tela) eu me sinto tão bem, tão em casa. não sei, talvez escrever supra a idéia de espaço que eu tanto tenho desprezado.

pode ser dolorosa a expresão, o retalhamento dos 'r', 't', 'f' ou ainda as curvas perigosas do 's', 'c', 'g'.
as vogais sempre são mais doces, porém eu estou aqui pra me machucar, dar a cara à tapa e me perder no labirinto. escrever é demasiadamente doloroso.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

recebi dele que prever o futuro é inventá-lo. dá vontade de ter os dois só pra mim.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

amansar os olhos, pelo menos cinco vezes ao dia, faz bem ao coração. a escrituras da imagem e toda a sua dilética contribuem assustadoramente para o 'o que se tem de bom'.
acontece que tem imagens demais e poucas pessoas para a dedicação. é só ver, de um ponto seguro, a vastidão da maldade.
esse filme não ganharia nem 5 estrelinhas.
mais tarde.

domingo, 7 de dezembro de 2008

então o amigo disse que eu não podia usar o que ele me dizia contra ele.